11/01/17

Greve no SAMS Sul

Sinto vergonha do suposto maior sindicato do meu sector de actividade profissional !!!!!!!!


Como é possível um sindicato de classe como o SBSI não pretender um acordo colectivo de trabalho para os seus funcionários?

Dois pesos e duas medidas?

Que legitimidade futura irá ter este sindicato para em nome dos seus associados negociar as condições do ACT bancário quando não quer reconhecer um ACT para os seus funcionários?

E os outros sindicatos da classe - nomeadamente o SBN do qual sou sócio, não se pronunciam?

Que legitimidade tem este sindicato para continuar na FEBASE?


Enfim, mais não digo porque também não sei…

18/10/16

U2/ Simple Minds / Xutos e Pontapés

Os nossos gostos são e serão sempre de ordem pessoal e intransmissível e não são nunca passiveis de discussão pois fazem parte integrante da nossa liberdade de escolha. Contudo nada nos impede de os partilhar sabendo obviamente respeitar o também direito à diferença.


São três as bandas que vou mencionar e ordem pela qual as indico é meramente aleatória.


Apesar de este concerto já ter sido há 30 anos e se não fosse pela qualidade do vídeo quase que me atrevia a escrever que tinha sido gravado ontem sendo muito provavelmente a banda que mais vou ouvindo, talvez devido ao seu percurso ao longo dos anos...



Tal como os U2 os Simple Minds são uma outra banda que nunca me canso de ouvir.



Não seria correcto da minha parte não mencionar uma outra banda, que por sinal é até portuguesa.



Estas três bandas estão e estarão sempre ligadas à minha juventude e não só, pois ainda hoje as continuo a ouvir com bastante frequência e não é nunca com a nostalgia da juventude que as continuo a ouvir, ou contrario de outras musicas que por vezes vou ouvindo. 

U2/ Simple Minds / Xutos e Pontapés

Os nossos gostos são e serão sempre de ordem pessoal e intransmissível e não são nunca passiveis de discussão pois fazem parte integrante da nossa liberdade de escolha. Contudo nada nos impede de os partilhar sabendo obviamente respeitar o também direito à diferença.


São três as bandas que vou mencionar e ordem pela qual as indico é meramente aleatória.


Apesar de este concerto já ter sido há 30 anos e se não fosse pela qualidade do vídeo quase que me atrevia a escrever que tinha sido gravado ontem sendo muito provavelmente a banda que mais vou ouvindo, talvez devido ao seu percurso ao longo dos anos...



Tal como os U2 os Simple Minds são uma outra banda que nunca me canso de ouvir.



Não seria correcto da minha parte não mencionar uma outra banda, que por sinal é até portuguesa.



Estas três bandas estão e estarão sempre ligadas à minha juventude e não só, pois ainda hoje as continuo a ouvir com bastante frequência e não é nunca com a nostalgia da juventude que as continuo a ouvir, ou contrario de outras musicas que por vezes vou ouvindo. 

U2/ Simple Minds / Xutos e Pontapés

Os nossos gostos são e serão sempre de ordem pessoal e intransmissível e não são nunca passiveis de discussão pois fazem parte integrante da nossa liberdade de escolha. Contudo nada nos impede de os partilhar sabendo obviamente respeitar o também direito à diferença.

São três as bandas que vou mencionar ordem pela qual as indico é meramente aleatória.


Apesar de este concerto já ter sido há 30 anos e se não fosse pela qualidade do vídeo quase que me atrevia a escrever que tinha sido gravado ontem sendo muito provavelmente a banda que mais vou ouvindo, talvez devido ao seu percurso ao longo dos anos...



Tal como os U2 os Simple Minds são uma outra banda que nunca me canso de ouvir.



Não seria correcto da minha parte não mencionar uma outra banda, que por sinal é até portuguesa.



Estas três bandas estão e estarão sempre ligadas à minha juventude e não só, pois ainda hoje as continuo a ouvir com bastante frequência e não é nunca com a nostalgia da juventude que as continuo a ouvir, ou contrario de outras musicas que por vezes vou ouvindo. 

28/04/16

Ciclismo (vertente estrada) – Divulgação dos eventos.

Este texto tem um cunho muito pessoal e até posso afirmar que fico muito contente se eu estiver errado.

A divulgação dos eventos continua a ser uma falha no Ciclismo e não se pode culpar a Comunicação Social.

Sem publico o retorno do investimento publicitário dos patrocinadores é significativamente menor e pode levar inclusivamente ao desinvestimento.

O que me leva a escrever este texto tem a ver com o Ciclismo continuar a não pretender evoluir e com muito raras excepções conseguimos saber informação detalhada sobre as provas.

Vou-me colocar no papel de simples adepto da modalidade e se quiser acompanhar uma corrida não encontro informação sobre a mesma, mas informação que interesse, ou seja, por onde vai passar a corrida e quais os horários previstos para a passagem.

Mas se para legalizar a prova um dos requisitos é a descrição completa dos locais de passagem da corrida e respectiva previsão horária porque não divulgar essa mesma informação?

Compreendo que até alguns anos atrás era algo difícil esta divulgação mas com a generalização/banalização das redes sociais porque não utilizar esta ferramenta que nos é dada de forma gratuita?

De que serve saber que a corrida parte no local X e que tem Y quilómetros e que vai acabar no local Z à hora… se não consigo saber por onde vai passar e a que horas?

Se calhar esta divulgação que é até gratuita pode ser bem mais importante que o resumo televisivo na RTP 2 que passa 2/3 semanas depois do evento, mas começo a divagar para um campo algo “perigoso” e que não é o foco deste texto.

Senhores organizadores de corridas e UVP/FPC (enquanto entidade reguladora), para colocar uma prova na estrada fazem o trabalho mais difícil que é o de angariar os fundos necessários à realização do evento, porque continuar de forma sistemática a falhar na parte mais fácil que é até gratuita?


No momento em que estou a escrever este texto e a título de mero exemplo somente, este fim-de-semana vão-se realizar a segunda e terceira provas a contar para a Taça de Portugal Sub 23 e com a excepção do cartaz e dos locais de partida e chegada não consigo encontrar mais qualquer tipo de informação sobre estas duas provas.

Dois muito bons exemplos na divulgação dos seus eventos:
Podium Events e ACM - Associação de Ciclismo do Minho

Fotografia de Zé Paulo
Fotografia de Pedro Vidinha

24/03/16

...o tempo passa a voar!!!

Mesmo sendo de carácter meramente pessoal, os gostos são sempre passiveis de discussão mas não é sobre “gostos” que se trata esta partilha musical.



Embora o termo “nostalgia” não se aplique de forma correta ao que sinto ao escutar esta “play list” é mesmo com muita saudade de outros tempos que deliciosamente escuto estas músicas, algumas delas já com mais de 30 anos, enfim…, mesmo não querendo admitir é a prova que estou mesmo a ficar “Belho”.

Tal como digo:
Se a vida são dois dias e se um já passou então porque desperdiçar o dia que falta?


Temos sim é que aproveitar cada momento como se sendo único e irrepetível e ainda também como se fosse o último.

14/03/16

34.ª Volta ao Alentejo - Crédito Agrícola.


Para mim começa já amanhã a 34ª edição da Volta ao Alentejo - Crédito Agrícola e onde me foi confiada a função de mota-informação sendo que a corrida propriamente dita inicia-se somente na quarta-feira em Portalegre.

Estão previstas 22 equipas e quase 180 corredores.

Para as equipas portuguesas será esta a sua primeira grande corrida do ano pois, por muito que nos custe e nos moldes actuais a Volta ao Algarve não está ao alcance das nossas equipas.

A prova terá um total de 5 etapas e irão percorrer um total de 907 km. Haverá em disputa um total de 15 metas volantes e 7 contagens para o prémio da montanha.
Etapas:
1.     Portalegre / Castelo de Vide (158 KM)
2.    Monforte / Montemor-o-Novo (206,2 KM)
3.    Portel / Beja (186,3 KM)
4.    Aljustrel / Grândola (184,7 KM)
5.    Santiago do Cacém / Évora (172,3 KM)

O espectáculo velocipédico está garantido e para o público que esteja na berma da estrada a ver a Alentejana passar será um colorido muito interessante de ver.


Todos os pormenores podem ser consultados no sítio oficial na Internet do evento (aqui).

27/02/16

A "Bandeirinha da Saúde".


Um pouco sobre a história da cidade do Porto. 

A "Bandeirinha da Saúde" fica no largo junto ao Palácio das Sereias, tem como suporte uma pirâmide em cantaria e que terá sido construída entre 1597 e 1633 pelo pedreiro Bastião Fernandes. Esta "bandeirinha" tinha uma simples missão, ou seja, em tempo de Peste marcava o limite da zona de atracagem dos barcos que estivessem a chegar ao Porto e só após efectuarem o exame sanitário é que os tripulantes poderiam desembarcar.


Para mais fácilmente poderem localizar a Rua das Sereias é a rua que liga o Largo do Viriato (junto ao Hospital de Santo António) ao edifício da antiga Alfandega do Porto.


O historiados e também jornalista Germano Silva num pequeno vídeo conta-nos a origem do nome da Rua da Bandeirinha e a curiosa história do Palácio das Sereias e onde obviamente é também explicado a "Bandeirinha da Saúde" ("aqui").

Tantas vezes passei neste local e tantas vezes vi esta pirâmide sem fazer a menor ideia do seu significado..., e ainda digo que conheço a cidade do Porto, bem, provavelmente só conheço mesmo as ruas.

Fontes:




17/02/16

42ª Volta ao Algarve


Polémicas à parte,

…começa hoje mais uma edição da Volta ao Algarve – a 42º, sem dúvida uma prova importante em Portugal, mas uma coisa é certa, para o vulgar dos cidadãos Portugueses e do nosso Ciclismo a prova mais importante é e será sempre a Volta a Portugal.

Muito podia dizer sobre esta edição da Volta ao Algarve mas vou-me focar no mais importante, ou seja, que o sucesso da prova está desde já garantido pelo leque de equipas e corredores presentes.

Espero que em termos organizativos/logísticos o organizador (que simultaneamente é quem tem a tutela do Ciclismo em Portugal) corresponda às expectativas e que sinceramente estou convicto que sim, irá conseguir corresponder.

Sobre as possíveis polémicas e tal como diz o ditado popular “Deus que foi Deus não conseguiu agradar a todos” pelo que nos devemos regozijar pela uvp-fpc ter conseguido colocar na estrada esta prova. Se eu concordo com algumas das decisões tomadas claro que não, mas para o caso a minha opinião não é importante (e muito menos neste momento de festa, sim, a existência de uma corrida deve e deverá ser sempre festejada).


Gostava de poder dizer mais alguma coisa mas não posso pois não sei…


20/11/15

..."doping" e o Ciclismo.

Este meu pequeno texto vem na sequência de um trabalho jornalístico do jornal desportivo “A Bola” assinado pelo senhor jornalista Fernando Emílio (aqui) e que curiosamente no dia de arranque da Volta a Portugal 2015 fez uma peça jornalística no mesmo jornal semelhante. 

Antes de iniciar este meu texto devo dizer que se tivesse sido eu o autor desta peça jornalística teria colocado a palavra "alteração de perfil no passaporte biológico" em vez de "doping".



Não, não me vou pronunciar sobre esta notícia e o que possa eventualmente estar por detrás da mesma…, e mais não digo porque também não sei.

Não, não me vou também pronunciar sobre a qualidade dos trabalhos jornalísticos no nosso país, aliás, subscrevo a opinião do Joaquim Gomes na sua conferência de imprensa no último dia da Volta a Portugal…, e mais não digo porque também não sei.

Mas há uma coisa que eu digo porque sei.

Sei sim que não podemos nunca JUSTIFICAR as nossas falhas com as falhas dos outros!!!!

Quero lá eu saber se nas outras modalidades desportivas (nomeadamente no futebol) há ou não utilização de substâncias consideras como dopantes, a mim o que me interessa é que não as haja no Ciclismo e que disto não haja qualquer dúvida.

Fonte: Fotografia retirada de um texto no facebook.

16/11/15

....and the show must go on!

....então, é por cá?

Segunda-feira, 16 de Novembro de 2015.

Obviamente que lamento e repudio os bárbaros acontecimentos de Paris, mas penso que já chega, cada coisa no seu lugar.

Tenho também consciência que o que por lá aconteceu pode acontecer por cá e/ou até acontecer num qualquer local em que eu esteja de visita nesse momento mas a vida não para (por muito que nos possa custar) e os restantes problemas não ficam por si só resolvidos só porque aconteceu este atentado é há que os resolver.

Pessoalmente entendo que o que aconteceu em Paris é agora em primeiro lugar um problema de polícia e posteriormente um problema político internacional e a resolver pelos políticos que nós livremente escolhemos em eleições para nos representar e que inclusivamente somos obrigados a pagar impostos para entre outras coisas arcar com as despesas de todas estas instituições.

Não nos podemos esquecer que Portugal neste momento atravessa uma grave crise política e que vai ter consequências sócio-económicas graves (independentemente da decisão política que o Sr.Presidente da República vier a tomar nos próximos dias).

Com este virar “lógico” das atenções para França a nossa situação interna vai ficar esquecida mais uns dias e as decisões a tomar consequentemente adiadas mais algum tempo, excessivo tempo.

Senhores das comunicação social, a informação sobre a carnificina de Paris da passada sexta-feira 13/11 não pode obviamente ficar esquecida, mas não se esqueçam (nem se façam esquecidos) do que por cá se vai passando nos bastidores políticos que isso sim, isso é que gostemos ou não vai ter influência directa nas nossas vidas.

Chamem-me  EGÓLATRA se que quiserem, mas França é França e Portugal é Portugal e eu ainda vivo em Portugal e são os problemas de Portugal que em primeira instância me preocupam.

A vida não pára, continua por muito que nos custe...

14/11/15

Paris, ...e agora, que futuro nos espera?



Sábado, 14 de Novembro de 2015

São 08:00, acabo de ter conhecimento do horror de ontem à noite em Paris.

O terrorismo venceu, não com as 120 mortes até agora anunciadas e que por certo irão aumentar nas próximas horas/dias, sim, o TERRORISMO VENCEU, quem se sente seguro neste momento?

Pergunto, como podemos combater esta praga terrorista?

Que futuro iremos conseguir prover aos nossos filhos?

Esta é a minha reação a “quente” sobre este trágico acontecimento.



17/10/15

...há dias com sorte.

Conheço virtualmente a escritora Ana Amorim Dias há cerca de ano, sou seu fiel seguidor no facebook  e inclusivamente muitas vezes revejo-me em alguns dos seus textos.

Ontem, quando saí de casa de manhã estava longe imaginar que ia terminar a tarde a degustar uma saboroso Porto branco numa esplanada em V.N.Gaia com uma vista deslumbrante para a Ribeira da cidade do Porto.

Pouca passava das onze horas e diz-me uma amiga:
“Paulo, a mana quer falar contigo pois a Ana está de passagem pelo Porto hoje à tarde e achou boa ideia fazer-lhe um pequeno tour pela cidade.”

Confesso que achei  um pouco estranho até porque sabia que a Ana andava de viagem pela Europa mas a Susana não é de falsas brincadeiras. Lá falei com a mana e toca a planear tudo ao pormenor (se bem que ela tinha já tudo muito bem delineado).

Os pormenores do nosso fim de tarde não passam de isso mesmo pormenores, embora com significado para quem os viveu mas não é esse o objectivo deste texto.

Sobre a Ana o que posso dizer é que o nosso contacto foi muito interessante e a conversa desenrolou-se de tal forma que parecia que todos já nos conhecíamos há imenso tempo, aliás, a tertúlia foi tão agradável que o tempo voou e mais pareceu que foram somente uns escassos segundos.

Da Ana ficou a promessa de regressar ao Porto com o Capitão e os Marujos, cá vos espero.

Às manas (Paulina e Susana) resta-me agradecer-lhes  terem-se lembrado de mim para este tão agradável final de tarde e de me proporcionarem o privilégio de ter conhecido em carne e osso a Ana Amorim Dias.

Já me esquecia, a Ana é a responsável por eu ao fim de quase 47 anos ter adquirido o hábito da leitura e, como tudo na vida, ela tem um enorme defeito, tem a Parvalhona (Harley...).


13/08/15

Criticar por criticar (77ª Volta a Portugal)


Opiniões?

Claro que todos têm direito a ter e a exprimi-las, mas mantendo sempre o princípio básico do decoro.

Estejam todos cientes de uma coisa, não vejo no imediato quem tenha capacidade para substituir a Podium Events na organização da Volta a Portugal.

O tempo de no fim da Volta levar para casa o carro cheio de brindes já acabou há muito, mas mesmo muito tempo e não foi só no Ciclismo que essa realidade mudou.

Criticar por criticar.

Infelizmente nestes últimos dias fui lendo nas redes sociais muita gente a criticar a edição 2015 da Volta a Portugal, inclusivamente alguns chegam ao ponto de afirmar que terá sido a pior de todas (memória curta – digo eu claro).

Mas porque é que em vez de criticar de forma banal e cruel porque é que não indicam o que esteve mal e apontam soluções alternativas?

Bem sei que a minha opinião pede ser considerada por alguns como não isenta pois prestei serviços à Podium Events este ano, mas enganam-se, também prestei serviços a outras empresas no meio velocipédico tendo estado presente até ao momento nas provas em baixo mencionadas:

Como moto-informação:
33ª Volta ao Alentejo
Vila Flor - 2ª Taça de Portugal Cadetes -Zona A - Liberty Seguros
2ª. Taça de Portugal Liberty Seguros - Troféu Concelhio de Oliveira de Azeméis
3ª. Taça de Portugal Liberty Seguros - Memorial Bruno Neves
Campeonatos Nacionais de Estrada (Elites e Sub 23)
22ª. Volta a Portugal do Futuro
·         77ª Volta a Portugal Liberty Seguros

Como moto-BA (bandeira amarela):
Volta as Terras de Santa Maria da Feira
1ª. Taça de Portugal Liberty Seguros - Clássica de Albergaria
36º. Grande Prémio Abimota
25º Grande Prémio de Ciclismo Jornal de Noticias

Moto-fotografo:
1ª Volta ao Alto Tâmega

Joaquim Gomes,

Parabéns por teres tido a capacidade de teres conseguido colocar na estrada as provas mais bem organizadas em Portugal e isto é um facto não é uma opinião.


Enfim…, é muito mais fácil criticar de forma gratuita (digo eu claro) e mais não digo porque também não sei…


29/07/15

77ª Volta a Portugal Liberty Seguros (2015).


A minha última Volta foi a de 2008 e após sete anos estou a “regressar” à “Grandíssima”.

Para poder estar devidamente rodado foi necessário fazer algumas outras provas ao longo da época e em várias funções pois só assim é que verdadeiramente ficaria “rodado”.

A primeira das provas foi a 33ª Volta ao Alentejo em Março e na função que vou desempenhar na 77ª Volta a Portugal Liberty Seguros, ou seja, moto-informação.

Como moto-informação:
  • 33ª Volta ao Alentejo
  • Vila Flor - 2ª Taça de Portugal Cadetes -Zona A - Liberty Seguros
  • 2ª. Taça de Portugal Liberty Seguros - Troféu Concelhio de Oliveira de Azeméis
  • 3ª. Taça de Portugal Liberty Seguros - Memorial Bruno Neves
  • Campeonatos Nacionais de Estrada (Elites e Sub 23)
  • 22ª. Volta a Portugal do Futuro

Como moto-BA (bandeira amarela):
  • Volta as Terras de Santa Maria da Feira
  • 1ª. Taça de Portugal Liberty Seguros - Clássica de Albergaria
  • 36º. Grande Prémio Abimota
  • 25º Grande Prémio de Ciclismo Jornal de Noticias

Moto-fotografo:
  • 1ª Volta ao Alto Tâmega
Para que pudesse voltar houve algumas pessoas que foram realmente importantes e que seria injusto não lhes estar publicamente grato.

Em primeiro lugar o Sr. Joaquim Gomes da Podium Events que foi o principal responsável pelo meu regresso e que me confiou a execução do serviço de moto-informação na Volta a Portugal (que é tão-somente a prova mais importante realizada em Portugal) e em todas as restantes provas organizadas pela Podium Events.

Ao Dr. José Soares (speaker Rádio Volta da Podium Events) que tem tido a paciência necessária para em todas as provas reunir comigo as vezes necessárias e me dar tão preciosas dicas para o desenrolar do nosso trabalho.

Ao Sr. Bruno Soares que com uma paciência inesgotável recuperou (com preços módicos) a minha “menina” para que estivesse em plenas condições já na 22ª. Volta a Portugal do Futuro tendo ontem levado uns pequenos retoques. Neste campo quero também agradecer à Altis (óleos Motul e capacetes Nolan) na pessoa do Sr. Fernando Fernandes que ao longo dos anos têm sido inexcedíveis.

Ao Hugo Figueiredo que com perseverança e após eu ter desistido por falta de tempo, criou as condições necessárias para que chegue a Viseu com a minha “imagem de marca”.

Ao Dr. António Pedro, Sr. Hélder Oliveira - meu colega de trabalho e ao Zé Paulo (eles vão entender o motivo da minha lembrança).

E por fim mas a mais importante de todos à Sandra Reimão (minha esposa) que com paciência de Job lá vai tolerando as minhas “ausências”.


Ainda falta um ou outro pequeno retoque decorativo mas só mesmo depois da acreditação.

07/07/15

Finally - my motorcycle is ready!!!

Após seis anos e duas semanas de paragem e fruto de um excelente trabalho de recuperação do Mestre Bruno Soares uma das LT´s voltou a rolar e quando me sentei em cima dela nem queria acreditar pois a ansiedade e expectativa eram enormes.

Durante estes seis anos de paragem da LT foram várias as motas que fui conduzindo e uma coisa é certa, não há mota que possa substituir uma K 1100LT, pelo menos para o uso que lhe espero vir poder dar.

Todos sabemos que numa viatura há sempre uma maior degradação estando parada do que em utilização, ainda por cima foi uma paragem prolongada. Assim e respeitando  minuciosamente as indicações do Bruno ontem (06/07/15) ao final da tarde foram já efectuados os primeiros 100km dos quase..... que ainda vou ter de fazer esta semana para que se possa realizar alguns ajustes de pormenor e principalmente verificar se não haverá algum componente mecânico que se tenha degradado por causa desta paragem prolongada e que só vá ceder ao fim de alguma utilização (como por exemplo uma qualquer borracha/vedante/etc., etc.,etc.).

Obviamente que ainda falta um ou outro pormenor e a parte estética (pintura) vai mesmo ter de ficar para Setembro pois por muita boa vontade que pudesse haver nunca em tempo útil se conseguiria que ficasse pronta. Tenho já na próxima semana a 23ª Volta a Portugal do Futuro – Liberty Seguros e uma semana depois a 77ª Volta a Portugal – Liberty Seguros.


Em termos de lubrificantes a escolha foi a habitual - óleos da MOTUL cujo representante em Portugal é a Altis Lda.

18/05/15

Reflexão urgente, é necessário!


Transcrevo um texto de uma amiga que colocou no seu mural no Facebook.

“Estou abismada, chocada...

Ou eu sou muito "old school", ou estes últimos tempos têm sido um dos piores exemplos em termos de civismo, educação, humanidade. A semana passada foi pródiga em pôr a nu situações gravíssimas de violência infantil/juvenil (desde ataques de bullying colectivo até mesmo a homicídio). Hoje a DESCULPA é o futebol.  Supostamente por causa do resultado do campeonato nacional de futebol, tenho visto hoje na TV e nas redes sociais, atitudes do mais desrespeituoso que há entres seres humanos. Que vergonha!...

Não aceito. Não aceito nada disto.

agressão por parte dum homem que deveria ser um agente de autoridade em

Guimarães é completamente desproporcional, assustadora e inadmissível.

Os momentos em Guimarães foram manchados por uma onda estúpida de violência.

A festa do clube ganhador na Praça do Marquês, em Lisboa, ficou manchada pela violência de alguns, que estragaram a todos os adeptos o que deveria ser um momento de alegria.

Comportamentos individuais, comportamentos de grupo, ambos pejados de violência gratuita!!!

BASTA!!!

Que vergonha!!!!! Isto é GRAVE!

Ficamos todos chocados (e bem!) com as imagens do resultado da violência, mas ninguém se admira muito com as faltas de respeito que normalmente são precisamente a antecâmara disso. Aqui no FB há exemplos disso mesmo - que lástima!

Respeitem e dêem-se ao respeito!!”

Quem ganhou, ganhou - festejem e não cutuquem os derrotados; quem perdeu, perdeu -
respeitem quem vence; saber perder é elevado.

As diversas instituições envolvidas nestes lamentáveis incidentes, públicas e privadas, têm de tirar as necessárias ilações, reflectir e AGIR!!!

Mas, na verdade, isto não têm nada a ver com futebol!!!!, essa é somente a desculpa (de hoje). Trata-se de falta de educação, desrespeito, injúria, agressão, violência. Por isso, individualmente, cada um de nós também tem de reflectir e agir. E rápido!!! Que mensagem estamos a transmitir às gerações mais novas? Que exemplos estamos a dar? Com que actuações estamos a compactuar? O que estamos a fazer mal? O que é que não estamos a fazer (de bem)?

sociedade é composta por cada um de nós.

Sejamos o exemplo que queremos ver no outro.”

Um mau exemplo cívico:


Um bom exemplo cívico:

Autora do texto:
Sónia Mendes Monteiro

Autor (a) da fotografia:

Desconheço (retirei do Facebook e que está partilhada por diversos sítios).